Luto

BRAVO, FERNANDA!

eu enfronhamento no Direito Previdenciário, do seu pouco conhecido escritório galgou o notório.
Por: Da Redação | Categoria: Artigos | 30-05-2021 21:51 |
A advogada Fernanda Rezende morreu na tarde deste domingo
A advogada Fernanda Rezende morreu na tarde deste domingo Foto de Reprodução

Chegou com medo, inexperiente.

Nas reuniões que houve no fórum da Justiça Federal, a convite e ao comando do insigne e líder Dr. Marcelo Duarte da Silva, diretor da Justiça Federal em Franca, abriu-se um canal de comunicação e de interação da Advocacia Previdenciária com o Judiciário local.

Nós, firmes, contundentes, participativos e proativos, propusemos, naqueles memoráveis encontros, a criação de uma Associação de Advogados Previdenciaristas. Já em casa, na Casa do Advogado, pintou uma solução à brasileira, qual seja, a instalação de nova Comissão Temática Permanente, a dos Advogados Previdenciários.

Ela, com sua calculada timidez, de tudo participava. Não esteve na cabeça da primeira coordenadoria da novel Comissão, nem nós. Pressentia que seu chamado seria questão de tempo, digo, de competência que se afloraria, quiséssemos ou não.

Seu enfronhamento no Direito Previdenciário, do seu pouco conhecido escritório galgou o notório.

Outras ilustres colegas ocuparam o cargo máximo do colegiado da OAB, desta Subseção de Franca. Vago o cargo (se me permitem, renegado …), Fernanda Rezende o assume, entre o alívio e o aplauso surdo de centenas de pares que militam – na real, guerreiam contra o teimosamente injusto e, vezes tantas, arbitrário INSS.

Teve que enfrentar caras feias, audiências tensas com magistrados, procuradores, diretores de secretarias, peritos e assistentes, gerentes da APS e gerência executiva de Ribeirão, juízes corregedores e com gerentes e funcionários dos bancos oficiais depositários de numerários dos nossos clientes, credores da boa e recalcitrante Previdência Social. Muitos de nós, seus colegas, pouco reconhecíamos o mérito e frutos positivos de seu benemérito trabalho para toda a classe!

E agora, quem poderá nos defender? Chapolin Colorado morreu junto com o Roberto Bolaños.

Quem ousa suceder Fernanda Rezende, a coordenadora, filha, mulher, mãe, esposa e nobre causídica, na superior direção da Comissão de Advogados Previdenciários?

Cursos, seminários, workshops, painéis, debates, audiências abertas ao público, reuniões dentro e fora das divisas do município, mensagens frequentes e contatos pelas redes socioprofissionais, que tinham por móvel o Direito Previdenciário e as suas repercussões no cotidiano das pessoas, maximizados pelos ciclones das mudanças covardes e pontuais e do tsunami da Reforma da Previdência de 2019, perdoem-nos, jamais serão os mesmos em números e em qualidade!

O vírus da peste jubilou compulsoriamente, neste meio de tarde de domingo, a nossa Fernanda Rezende! Agiu ele sorrateiramente.   Tivesse atacado ela de igual para igual, teria o corona beijado a lona, qual fizera ela em sua esticada gestão da Comissão com os que usavam esse instrumento de ação da advocacia previdenciária para acudir a interesses menores, de grupos e de células, pela força de seu ministério de representação.

Uma interjeição masculina para homenagear uma inesquecível colega: Bravo, Fernanda Rezende!

Theo Maia é advogado previdenciarista. Sócio-administrador da Théo Maia Sociedade de Advogados (OAB-SP 16.220)