TV

ELIZE FICA COM R$ 900 MIL DE MATSUNAGA

Elize, hoje com 39 anos, cumpre pena na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, onde estão também Suzane von Richthofen, condenada por ordenar o assassinato dos pais, e Anna Carolina Jatobá, presa pela morte da enteada Isabella Nardoni
Por: Da Redação | Categoria: Entretenimento | 14-07-2021 00:00 |
Elize Matsunaga
Elize Matsunaga Foto de Reprodução/Netflix
No documentário "Elize Matsunaga: Era uma Vez um Crime", recém-lançado pela Netflix, a técnica em enfermagem condenada pelo assassinato e esquartejamento do marido, Marcos Matsunaga, aparece chorando ao encontrar seus familiares, se emociona ao dizer que vai implorar perdão à filha e conta que era traída, ofendida e humilhada por Marcos. São falas e cenas que tentam mostrar quem é essa mulher, além de uma criminosa. Mas é justamente esse crime que resume quem ela é e foi, segundo o jornalista Ullisses Campbell, autor da biografia não autorizada "Elize Matsunaga: a Mulher que Esquartejou o Marido", com previsão de lançamento para agosto, pela editora Matrix.
 
A obra traz laudos de três psicólogos e um psiquiatra credenciados pela Justiça comprovando que ela é psicopata, mostra que o amor pela filha é uma estratégia para comover a opinião pública e que o universo da prostituição está no centro da história com Marcos, de quem ainda herdou R$ 900 mil.
 
LEIA TAMBÉM
Confira a lista de empregos;
Roda das Flores é atração no Webstage Palco Virtual;
O Brasil custa caro
 
Elize, hoje com 39 anos, cumpre pena na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, onde estão também Suzane von Richthofen, condenada por ordenar o assassinato dos pais, e Anna Carolina Jatobá, presa pela morte da enteada Isabella Nardoni. Suzane foi a responsável por tomar uma das namoradas de Elize na cadeia: Sandra Regina Gomes, a Sandrão. Hoje, Elize se relaciona com um homem trans de 23 anos condenado a cinco por tentar matar o avô e que cumpre pena na ala feminina porque corre risco de agressões se fosse para a masculina.
 
Elize, ao contrário das outras presas famosas, não causa repulsa entre as colegas por causa do crime que cometeu. Não matou os pais nem uma criança, mas o marido que a traía, o que até alimenta a simpatia das mulheres com quem convive. Tanto que chegou a receber uma salva de palmas delas no dia de sua primeira saidinha, em 10 de outubro de 2019. "Vai Elize, viver a tua vida, tu merece", disse.